Síndrome de Burnout: como lidar com o excesso de trabalho

Síndrome de Burnout é um distúrbio emocional que causa sintomas mentais e físicos. A doença é causada principalmente pelo excesso de trabalho. Embora haja tratamento, prevenir-se ainda é o melhor remédio.

Tempo de leitura: 9 minutos

A Síndrome de Burnout é uma doença que atinge milhares de pessoas, devido ao alto estresse vindo do trabalho. De acordo com pesquisa da  Internet Stress Management Association, dentre 100 milhões de trabalhadores brasileiros, 32% são atingidos pela Síndrome de Burnout.

Além disso, num ranking de oito países, o Brasil está a frente da China e dos Estados Unidos, perdendo apenas para o Japão (com 70% da população diagnosticada).

Essa síndrome é muito comum em profissionais que precisam lidar com a pressão do dia a dia e possuem responsabilidades constantes, tal como os dentistas.

Embora o perfil workaholic (em português viciado em trabalho) possa ser visto com bom olhos, é preciso cuidado, já que o trabalho excessivo pode acarretar diversas consequências graves, além de prejudicar a produtividade e o rendimento.

Assim, ao invés do esforço trazer benefícios, como se espera que seja, o excesso de trabalho acaba causando uma forte sensação de estar insatisfeito e frustrado consigo mesmo.

De acordo com a Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), o número de benefícios de auxílio-doença que pertencem a essa categoria subiram em 114,8% entre 2017 e 2018, num salto de 196 para 421 no período.

Por isso, saiba agora tudo sobre a Síndrome de Burnout: o que é, quais os sintomas, prevenções, diagnósticos e tratamentos.

O que é Síndrome de Burnout?

A Síndrome de Burnout, ou Síndrome do Esgotamento Profissional, é um distúrbio emocional que traz sintomas tanto mentais quanto físicos e é causado principalmente pelo trabalho desgastante. A palavra Burnout vem do inglês, onde “burn” significa queimar e “out” significa exterior.

Além disso, essa síndrome também pode surgir em situações nas quais a pessoa não se sente capaz de fazer certa tarefa ou encontra dificuldades para resolver algum problema importante.

A Síndrome de Burnout pode causar consequências graves, como:

  • Depressão profunda;
  • Sofrimentos psicológicos;
  • Problemas nos relacionamentos;
  • Cansaço físico;
  • Alto nível de estresse; entre outras.

Como prevenir a Síndrome de Burnout

O estresse por causa do trabalho ou devido a uma rotina repleta de tarefas pode parecer algo normal no dia a dia. No entanto, ignorar esses problemas pode ser um perigo para a nossa saúde mental e psicológica.

Desse modo, é importante dar atenção aos sinais que surgem no corpo, de modo especial quando o cansaço e o estresse não deixam você fazer um bom trabalho e de obter uma vida feliz.

Portanto, perceber que esses indícios comprometem a sua saúde emocional é o primeiro passo para começar a reavaliar sua maneira de encarar o seu local de trabalho, além de avaliar o quanto isso está afetando o seu psicológico.

Confira, a seguir, algumas dicas essenciais para prevenir a Síndrome de Burnout:

1. Saúde mental no trabalho

Um ambiente de trabalho saudável é o primeiro passo para a prevenção do estresse. Ser um trabalhador que se dedica é importante, mas saber quando pausar é essencial. Trabalhar por horas seguidas pode causar grande desgaste emocional. Saber a hora certa de pausar só ajudará na sua produtividade e bem-estar.

Nem todas as empresas precisam investir em qualidade de vida, promoção de saúde ou coisa parecida. Só aquelas que querem ser competitivas no século XXI.

Robert Karch

Além disso, confie em si mesmo sobre o trabalho que está fazendo: um profissional que acredita em seu próprio potencial valorizará o seu serviço e obterá maior produtividade.

2. Como um software odontológico pode ajudar?

Na sua clínica, você pode aliviar o excesso de trabalho com a ajuda da automatização. O uso de um software odontológico, por exemplo, pode evitar erros humanos, tirando as chances de problemas.

Além disso, atividades como cadastro de pacientes, agendamento e controle financeiro tornam-se práticas e fáceis de serem feitas com o uso de um sistema automatizado.

Assim, investir neste tipo de sistema ajuda numa rotina mais tranquila e sem dores de cabeça, contribuindo para a prevenção de doenças como a Síndrome de Burnout.

3. Os benefícios das atividades físicas

Viver uma vida sedentária traz diversos problemas ao seu corpo, gerando o desânimo e o estresse. Desse modo, a atividade física, além de ser um ótimo jeito de tirar sua cabeça do trabalho, ainda é faz bem para a saúde no geral.

Por isso, comece a fazer exercícios todos os dias e veja como sua vida vai mudar de modo positivo: a qualidade de sono vai melhorar, seu desempenho cognitivo ficará mais aguçado, o estresse vai diminuir e a sensação de bem-estar é garantida.

Atividade física não é apenas uma das mais importantes chaves para um corpo saudável – ela é a base da atividade intelectual criativa e dinâmica.

John Fitzgerald Kennedy

4. Os efeitos da meditação

A meditação é uma ótima maneira de controlar suas emoções e reduzir a ansiedade e o estresse do corpo.

Além disso, a prática ajuda não apenas a prevenir a Síndrome de Burnout, como também na concentração, no foco e a reduzir os níveis de estresse corporal. Alguns minutos de meditação por dia e você já vai receber benefícios grandiosos.

5. A importância do sono

Privação do sono é algo muito comum para pacientes que possuem a Síndrome de Burnout. Dessa forma, é fundamental regular suas noites de sono, obtendo, a partir disso, uma rotina saudável, conseguindo descansar melhor durante a noite.

Caso a dificuldade seja grande, recomenda-se a ajuda de um profissional para que ele indique práticas que estimulem o sono. Evite tomar cafeína à noite, assim como o uso de aparelhos eletrônicos antes de dormir, como celulares, tablets ou computadores.

O sono é essencial para a sua restauração no dia seguinte, além de ajudar no bom funcionamento do organismo. Portanto, não deixe de ter um sono regulado e controlado, ou as consequências poderão se agravar ao longo do tempo.

O sono é um bálsamo curador para todos os males.

Menandro

6. Cultura e vida social

É preciso entender que momentos de lazer e diversão são essenciais na vida do indivíduo. Nós somos seres sociais, e precisamos com frequência desfrutar da companhia humana, com pessoas queridas e que possam manter a nossa vida equilibrada.

O combate a Síndrome de Burnout, portanto, também deve ser motivado tanto pelos amigos e familiares quanto pelo próprio ambiente de trabalho em que o paciente atua. Existe um fator muito comum entre as pessoas que sofrem dessa síndrome: muitas delas apenas esquecem que há vida além do trabalho.

É comum deixarmos de sair com amigos ou um compromisso com a família, devido ao acúmulo de trabalho. No entanto, toda vez que uma atividade de lazer é deixada de lado, você comprometerá a sua capacidade de experienciar o novo.

Síndrome de Burnout: sintomas

Os sintomas da Síndrome de Burnout podem surgir de modo suave, porém tendem a piorar ao longo do tempo. Dessa forma, muitos pensam que os sintomas são passageiros, e que serão curados com o passar dos dias.

Por essa razão, é fundamental que a pessoa busque logo uma ajuda profissional, assim que identificar algum sinal. Veja, a seguir, os principais sintomas da Síndrome de Burnout:

  • Extremo cansaço físico, mental e emocional;
  • Dor de cabeça constante;
  • Apetite desequilibrado;
  • Insônia;
  • Problemas de foco e concentração;
  • Sensação de fracasso e insegurança;
  • Pensamentos negativos;
  • Sensação de incompetência;
  • Mudanças súbitas no humor;
  • Isolamento social;
  • Fadiga;
  • Pressão alta;
  • Dores musculares;
  • Doenças gastrointestinais;
  • Batimentos cardíacos descontrolados.
Síndrome de Burnout: como lidar com o excesso de no trabalho
Síndrome de Burnout: como lidar com o excesso de no trabalho

Diagnóstico da Síndrome de Burnout

O diagnóstico da Síndrome de Burnout é feito por profissionais, como psicólogos e psiquiatras, após uma longa análise clínica. Assim, esses profissionais poderão orientar e identificar as melhores formas de tratar o paciente que sofra desses sintomas, a depender da situação.

É muito comum que as pessoas não busquem atendimento médico por não saberem lidar com a síndrome e por terem dificuldades na hora de identificar os sintomas. Por isso, é fundamental que os amigos e familiares não negligenciem uma situação como essa e sejam importantes pilares para que o paciente consiga entender que necessita de ajuda.

Como tratar a Síndrome de Burnout?

O tratamento da Síndrome de Burnout é feito através de sessões de psicoterapia, porém também podem ser usados medicamentos, como antidepressivos ou ansiolíticos.

As mudanças começam a surgir a partir de um a três meses de terapia, mas isso dependerá de cada caso. É essencial que ocorra uma mudança completa tanto no ambiente de trabalho quanto no estilo de vida do paciente.

Também é preciso ficar atento aos sinais de piora da Síndrome de Burnout. Assim como qualquer doença, é muito comum que o paciente obtenha uma recaída. Dessa forma, é comum ver os sintomas se agravarem, levando inclusive o paciente a ter uma depressão.

Em casos extremos, é fundamental que haja uma intervenção médica e que o paciente seja internado para que possa passar por uma avaliação minuciosa acerca de sua saúde física, mental e emocional.

Conclusão

Como vimos ao longo do artigo, a Síndrome de Burnout é uma doença muito comum e que assola diversas pessoas. O desgaste emocional vindo das condições de um ambiente tóxico pode acarretar situações graves e que necessitam de um cuidado profissional.

Portanto, é fundamental promover formas de combater e prevenir o estresse gerado em um ambiente de trabalho intenso. É preciso também que as empresas identifiquem os problemas dentro de seus espaços e evitem que seus próprios colaboradores sofram com a Síndrome de Burnout.

E então, gostou de saber sobre como reduzir o excesso de trabalho e evitar a Síndrome de Burnout? Aproveite para ler outros artigos em nosso blog e não esqueça de deixar o seu comentário abaixo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *